quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

O exercício tem de fazer parte da minha vida e da vida de toda a gente.


 O exercício...há sim o exercício...
Sabem que falar é fácil, ou pelo menos é mais fácil do que fazer, eu sei que tenho de fazer exercício, mas não tenho feito. Crio desculpas para mim mesma; não tenho tempo, está a chover, de manhã cedo ainda está escuro, etc...
Eu sei que isto são tudo desculpas, a nossa mente é prodigiosa em arranja-las, e assim desta maneira ilibamos um pouco a culpa.
Mas, sinto que estou a errar, o exercício tem de fazer parte da minha vida, da vida de toda a gente.
Todo o protocolo de tratamento ou de prevenção tem de incluir o exercício, da criança ao idoso e nunca se é velho demais para se começar a exercitar, além disso torna-se cada vez mais importante è medida que envelhecemos.

Muitas são as provas que confirmam que o exercício físico é um fator importante na redução de doenças, na saúde mental, emocional e prolonga a vida.
Pesquisadores ao analisar 40 trabalhos publicados entre 2006 e 2010 descobriram que o exercício reduz o risco de problemas de Saúde que vão desde o cancro, a doenças cardiovasculares, diabetes tipo2, derrame e depressão, e diminui a taxa do envelhecimento.

Vamos supor que você nunca fez exercício, e no momento tem 60, 70 anos e pensa que já não vale a pena, pois eu digo-lhe porque a pesquiza mostra que o exercício regular mesmo iniciado no final da vida, oferece benefícios profundos à Saúde, como:
- O exercício protege os idosos da perda de memoria e alongo prazo ajuda a reverter alguns dos efeitos do envelhecimento.
 - As mulheres que fazem caminhadas ou ginástica de manutenção ficam mais protegidas contra a osteoporose.
- O exercício moderado entre pessoas de 55-75 anos, protege-os e reduz o risco de desenvolver a síndrome metabólica uma pandemia que traz a doença cardiovascular e a diabetes tipo 2 e mais tarde tipo 3 que é o Alzheimer.

Muitos idosos renunciam ao exercício com medo, com medo de terem mais dores, mas lembre-se que o exercício adequado a si não vai lesa-lo e vai melhorar a dor, os quadros inflamatórios.
Não use a sua idade e seus problemas de doença para não fazer, antes pelo contrário, proponha-se a fazer exercício para viver mais, melhor e reduzir os problemas de doença.

Querem incentivo?
Quando fico algumas semanas meio sedentária, e preciso de incentivo para começar, eu vou ver Tao Porchon. Ela me inspira... quero ser como ela... ter o sorriso dela.


É a professora de ioga mais antiga do mundo, mas também é premiada em danças de salão. Tem 96 anos, aqui está o site dela.
É tão bonito e inspirador ver uma pessoa idosa de bem com a vida, acredito que o exercício contribuiu para isso. Os exercícios de ioga desenvolvem a elasticidade do nosso corpo e isso é muito importante, porque quem tem elasticidade no corpo mais facilmente tem na mente. 


Vejamos o exemplo de uma folha verde, a folha quando apanhada da arvore tem elasticidade, nós podemos quase dobra-la que ela não parte, porquê? Porque tem ainda vida, mas com o passar do tempo seca, morre, então se neste momento formos dobra-la, o que acontece? Ela parte, a vida e elasticidade dos tecidos andam juntas.

A quê chamo exercício?
Para mim exercício é tudo o que põe nosso corpo a mexer, pode ser caminhar, andar de bicicleta, fazer ginástica, natação (eu não aconselho natação em piscinas aquecidas e durante o inverno), pode ser horticultura, dançar, fazer faxina, etc...
Mas, se além dos exercícios da vida diária, conseguir caminhar 1 hora, isso seria maravilhoso, não há glicemia que resista a não ser que beba muito leite, coma muito pão e bolos.

Vou terminar, mas quero que a mensagem seja clara, quero que você entenda que o exercício é um fator tão importante para a saúde como o é uma boa alimentação ou um estado de animo positivo.

Fique com frase de Tao, a frase que ela diz que identifica a sua vida: " Não há nada que não possamos fazer se aproveitarmos o poder dentro de nós".


Sem comentários:

Enviar um comentário