terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Muitas pessoas com fibromialgia têm alergia alimentar


É quase uma doença feminina, ou seja em cada 10 casos 9 deles são em mulheres. Elas sentem dor, rigidez muscular por vezes quase insuportável, junto com cansaço, depressão e distúrbios gastrointestinais.
Não há doente que não tenha problemas gastrointestinais, e não se consegue melhorar os sintomas da fibromialgia, sem darmos atenção à alimentação, à digestão, ás fermentações intestinais; tudo isto tem de ser visto e analisado.

Normalmente a pessoa antes de ser diagnosticada com fibromialgia sofre episódios de diarreia, de gases, de aftas, e candidíase vaginal.
Tudo problemas de um aparelho digestivo lesado.

Um estudo feito no Colégio Americano de Nutrição em Orlando em 2001, mostrou que pessoas com fibromialgia podem reduzir os seus sintomas se eliminarem alguns alimentos da sua dieta.

As pessoas envolvidas no estudo eliminaram de sua dieta milho, trigo, lacticínios, frutas cítricas, soja e açúcar. Depois de duas semanas sem comer qualquer um destes potenciais alergénicos, a maior parte dos pacientes relataram significativa redução da dor, assim como a redução de outros sintomas como dor de cabeça, cansaço, distensão abdominal, azia e dificuldades respiratórias.

A fibromialgia também tem fatores emocionais que têm de ser analisados, mas tem-se que começar por um principio, e para mim é por aquele que nós vemos, até porque ao melhorarmos todo o processo digestivo vamos nos sentir melhor e com isso voltar a ganhar força para conseguir mais, primeiro começamos com a boca, com o respeito pelo nosso corpo, não podemos deixar entrar dele qualquer coisa, depois ao digerirmos melhor, vamos absorver melhor e pensar melhor, pensar no melhor que podemos fazer para ajudar o corpo que habitamos.
Quem controla o que comemos?
Quem controla onde e como respiramos?
Quem controla o exercício que fazemos?
Quem controla as emoções a cada segundo que temos?
Não somos nós mesmos?
Então, nós somos aquele que tem o poder de melhorar a nossa situação...Nós temos essa responsabilidade.

Estar no controlo, por vezes não é fácil, principalmente nas pessoas com fibromialgia que estão medicadas com antidepressivos. Todos estes medicamentos têm efeitos secundários, se  antidepressivos triciclícos (amitriptilina, ciclobenzaprina, doxepina, nortriptilina) os efeitos são sonolência, secura de boca e olhos, dor de cabeça, alterações do ritmo cardíaco; se tomar antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina como fluoxetina, ou a mais recente nefazodona, pode sentir ou ansiedade ou nervosismo, junto com insónias, alterações de humor e perturbações gástricas.
A pessoa tem de se manter emocionalmente equilibrada para que o quadro de dor não aumente e depois toma medicamentos que por sua vez a alteram, que lhe produzem sono, ou insónia, ou ansiedade ou problemas gastrointestinais, mas não eram estes mesmos sintomas que agravam ou são agravados pela doença? Como vemos entramos num quadro de pescadinha de rabo na boca, portanto o melhor é a pouco e  pouco ir saindo dele.

Para fazermos frente a uma fibromialgia não há uma pilula ou duas, não há uma massagem e passou, a coisa é mais complicada e profunda, no entanto há sempre um corpo disposto a se reequilibrar e com isso os sintomas vão diminuir.
E o começo para quem quiser, começa com a eliminação destes alimentos:
- Todo o trigo - deixe o pão, substitua por arroz integral
- Todo o tipo de lacticínios
- Todo o açúcar refinado, substitua por mel.
- Toda a carne - o estudo não salientou a carne, mas para mim ela prejudica todo o aparelho digestivo, porque dificulta a digestão, além de outros problemas.
- Todo o alimento industrializado.

Quem tem fibromialgia, tem de treinar o autodomínio no controlo alimentar, porque tem de melhorar a digestão que não é boa, tem de promover a saúde intestinal para uma melhor absorção de nutrientes que estão em défice no quadro da fibromialgia, têm de tratar a ecologia intestinal, porque 80% dos pacientes com fibromialgia apresentam ter fungos, mais propriamente cândidas no aparelho digestivo por isso têm ou tiveram aftas e comichão vaginal.
A Dra. Carol Jessup que tratou mais de 1000 pacientes com fibromialgia com o uso de uma dieta próbiotica e antifúngica, diz que ao tratar a candidíase as pessoas recuperavam da fibromialgia.


Nosso corpo não foi feito para viver com dor, é um grito de pedido de ajuda, é um desequilíbrio a um nível profundo, mas para quem quiser e tiver força pode sair, pelo menos pode viver sem medicação e ir tentando o reequilíbrio. É preciso mais que uma boa alimentação, é preciso desintoxicar, nutrir, regenerar, oxigenar todos os tecidos, mas pense...nosso corpo vale a pena, quando ele está doente nós sobrevivemos, quando ele está bem nós vivemos.

Sem comentários:

Enviar um comentário