quinta-feira, 6 de junho de 2013

A importância do ácido gástrico na sua Saúde e na sua Vida

imagem copiada net
Todos os alimentos dependem de um "bom" estomago para serem digeridos, pois de outra forma não serão absorvidos.
Para obtermos os aminoácidos, os minerais, as vitaminas não temos somente que comer, temos principalmente que digerir.
E, para que isto aconteça é necessário que o estomago tenha uma acidez adequada.

Porquê?
Porque a grande responsável pelo conjunto das reações químicas que ocorrem na digestão, a grande responsável em partir aos pedacinhos muito pequenos os nossos alimentos para que sejam assimiláveis pelas células é a - enzima pepsina.

O ácido gástrico tem um papel muito importante nas funções da digestão e da absorção, ao otimizar o PH do estomago e acionar a enzima digestiva estomacal - pepsina.

O que é que a pepsina tem haver com acidez no estomago?
Tudo.
É a secreção do acido clorídrico que torna o estomago, "um saco" muito ácido, com um PH de 2, no entanto se não houver secreção de acido clorídrico, o estomago não fica tão acido, o que leva a uma redução desta enzima.

Porque é importante ter um estomago ácido?
Um estomago sem a adequada acidez, não pode digerir adequadamente os alimentos e isto faz com que não absorvamos a quantidade de nutrientes que precisamos; comemos, mas não absorvemos ou absorvemos muito pouco.
Deduz-se, que desta forma não podemos estar num quadro bom de saúde.

Esmiuçar os alimentos em seus componentes nutricionais para que possam ser absorvidos pela nossa corrente sanguínea; é a razão de ser da DIGESTÃO.

Se temos o PH do estomago pouco ácido
Não podem ocorrer as reações químicas normais requeridas para esmiuçar e preparar os nutrientes para ser usados pelo corpo.
Se, esta situação persistir por muito tempo, pode levar a estados de má nutrição, e afetar de forma adversa varias das funções corporais vitais,  muitas delas fora do aparelho digestivo.

Se temos um PH do estomago demasiado ácido
Também não é bom, pois demasiada acidez no estomago pode destruir os tecidos do trato digestivo e contribuir para a formação de ulceras.

A enzima pepsina é necessária para a digestão, principalmente das proteínas.
Quando comemos, o nosso estomago dispara a secreção de ácido clorídrico, se os níveis destes ácidos estão diminuídos, os níveis de pepsina também;  isto será o início da má digestão das proteínas, assim como de outros alimentos, que não são transformados em aminoácidos.
Terá esta situação algum problema?
A deficiência continua de muitos aminoácidos essenciais levam à depressão, à insónia, à ansiedade e a muitas outras doenças.
Tem depressão?
Já pensou como está o seu estomago?
Toma algum medicamento que diminua a secreção do acido clorídrico?
Pode sentir-se depressiva, mas no fundo não tem depressão, tem é falta de nutrientes, que levam a estados depressivos.

Para piorar o quadro, estas proteínas que não são bem digeridas, através da permeabilidade intestinal que quase todas as pessoas têm, passam à corrente sanguínea, e como sabemos, o corpo normalmente reage contra estas proteínas estranhas; ocorrendo assim uma resposta imunitária, com varias inflamações.
Desta maneira, a digestão inadequada em nossos estômagos é um fator coadjuvante nas alergias e na maioria das doenças autoimunes, embora possa não parecer.

Tudo no nosso corpo está certo como a Natureza fez, a acidez do estomago protege-nos contra bactérias, pois estas não vivem num ambiente tão ácido.
Pela nossa boca e nariz entram bactérias, que ao chegarem ao estomago morrem ao encontrar um Ph baixo, mas se o ácido gástrico for deficiente, muitos destes micróbios sobrevivem. A maioria delas não nos prejudicam, mas há algumas chatinhas como a salmonella, escherichia coli, que ao encontrarem um terreno adequado podem fazer casa e trazer-nos problemas.

A ideia que passa na televisão e nas revistas, é que níveis altos de ácido clorídrico podem causar-nos problemas, e incentivam-nos a comprar uma grande variedade de medicamentos antiácidos contra a má disposição e azia.
Cada vez se inventam medicamentos mais potentes como os bloqueadores da bomba de protões e os estimulantes da motilidade, mas todos eles têm efeitos colaterais, que muitas vezes não são percebidos a curto prazo, e a longo prazo também não, por desconhecimento do doente.

É bem documentado em medicina, que a produção do acido gástrico diminui com a idade avançada devido à perda de células que produzem o ácido, que chega ao ponto de ter nome de doença - gastrite atrófica.
Há quem defenda (1) que uma boa parte das pessoas com mais de 60 anos sem má disposição, e sem azia sofrem de gastrite atrófica.

Tomar antiácidos e seus familiares, é fazer-se um tratamento unicamente dirigido aos sintomas, logo a doença vai continuar, provavelmente, vai bater a outras portas, sem ser o estomago.
A indigestão e o refluxo esofágico podem ser curados, desde que eliminemos os agentes ofensivos e percebamos o nosso corpo.

(1) Lovat L. Age related changes in gut pgysiology and nutritional status. Gut 1996


1 comentário:

  1. Isso coloca por terra a teoria de que devemos tomar água alcalina. O suco gástrico tem ph de 2 e precisa ser ácido para digerir os alimentos e eliminar as bactérias dos alimentos.

    ResponderEliminar