terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Como Regular as Transaminases?

imagem copiada net

O figado é um dos orgãos do corpo humano que mais sofre agressões no dia-a-dia.
Nada lhe escapa, tudo passa por ele.
São as emoções, a alimentação inadequada, o sedentarismo, os agrotoxicos, os conservantes, corantes e aditivos, tudo novo para um orgão muito antigo.
A nivel da alimentação, é provavel que nosso organismo não esteja preparado para metabolizar os  novos "alimentos" e que isto contribua para os depositos de gordura no figado.

Como responde o figado ás agressões?
Bem, responde como a maioria dos outros orgãos, que é aumentar de volume (hepatomegalia), no entanto temos neste momento ao nosso dispor exames laboratoriais para avaliarmos o orgão.
Uma dessas provas é a analise das transaminases, que tendem a estar elevadas quando há alguma doença ou alteração relacionada com o figado.

Dieta e Nutrição para baixar as Transaminases

Evitar de todo o álcool, o café, os lácteos e as comidas gordas, entre elas a carne.
Em caso de pouco apetite, é preferível não encher o prato e dividir a quantidade em varias refeições, além disso pode tomar suplementos nutricionais como o pólen, a geleia real, a levedura de cerveja e algas marinhas especialmente a alga Chlorela.
Insista nos Sucos verdes e no de beterraba.


Plantas para baixar as Transaminases
Extrato de Cardo Mariano

Uma das planta a tomar obrigatoriamente é o Cardo Mariano (Silybum Marianum)
Sabe-se que o seu principio ativo, a Silimarina é capaz de reverter um dano já ocorrido aos hepatócitos.






Extrato de desmodium

Outra não menos importante é o Desmodium ( desmodium Adscendens) 
Planta africana usada à muito por curandeiros para tratar doenças hepáticas. 
Sintomas como fadiga, dor de cabeça, perda de apetite e pele amarela desaparecem no primeiro mês de tratamento.
Um estudo realizado no hospital de Bamako no Mali envolvendo 47 pacientes com Hepatite B, mostraram que a administração de Desmodium leva a uma diminuição rápida da icterícia, das tansaminases e da bilirrubina.

Sem comentários:

Enviar um comentário